"A vida pública das emoções" é tema da Aula Magna do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFSM, a ser realizada no dia 12 de setembro, às 09 horas, no Auditório B1 "Marie Curie", anexo ao Prédio 17. O professor João Freire Filho (ECO/UFRJ) é o convidado do Programa para a Aula Magna deste ano dentre outras atividades acadêmicas durante a semana.

O professor também ministrará o Curso "O cultivo do asco: mídia, retórica política e sensibilidade moral" em que propõe uma reflexão sobre o fortalecimento no Brasil de uma "cultura pública da aversão", contrapondo-se à mítica imagem da cordialidade brasileira. Para o pesquisador, a retórica e a iconografia do asco são acionadas com intuito de estigmatizar e de repelir determinados movimentos sociais, lideranças e correntes políticas, deslegitimando as reivindicações de minorias por direitos civis, inclusão social e reconhecimento cultural.

A Aula Magna é aberta a todos os interessados, sem necessidade de inscrição prévia. O Curso "O cultivo do asco: mídia, retórica política e sensibilidade moral" será realizado nos dias 13, 14 e 15 de setembro, das 14h às 17h, tendo como público discentes e docentes do POSCOM/UFSM e também docentes do Departameto de Ciências da Comunicação mediante inscrição na secretaria do Programa até 11 de setembro. Serão oferecidas 50 vagas. O local do curso será divulgado após o encerramento das inscrições.

Currículo do professor

João Freire Filho possui título de Mestre e Doutor em Literatura Brasileira pela PUC-Rio. Realizou pós-doutorado sênior no PPGCOM da UFMG, com bolsa do CNPq. É professor associado da Escola de Comunicação da UFRJ. Ministrou cursos como professor convidado nos programas de pós-graduação da UFBA, da PUC-RS, da UFMG e da UFRN. É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq (Nível 1D) e membro titular do Comitê de Assessoramento dessa mesma instituição. Coordenou projetos de pesquisas com o apoio financeiro do CNPq, da Capes, da Faperj, da Fundação Biblioteca Nacional e da Fundação José Bonifácio. Ganhou o prêmio Antonio Luís Vianna da FUJB/UFRJ, em 2005, pelos resultados obtidos com o auxílio de pesquisa concedido em 2004. Recebeu, em 2011, o Prêmio Compós como orientador da melhor tese de doutorado defendida em 2010. Autor e organizador de diversos livros, dentre eles: Reinvenções da resistência juvenil: os estudos culturais e as micropolíticas do cotidiano (Mauad, 2007); A TV em transição: tendências de programação no Brasil e no mundo (Sulina, 2009); Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade (FGV, 2010); Estudos de televisão: diálogos Brasil-Portugal (Sulina, 2011 — com Gabriela Borges); A promoção do capital humano: mídia, subjetividade e o novo espírito do capitalismo (Sulina, 2011 — com Maria das Graças Pinto Coelho); Entretenimento, felicidade e memória: forças moventes do contemporâneo (Anadarco, 2012 — com Ana Paula Goulart Ribeiro e Micael Herschmann); Celebridades no século XXI: transformações no estatuto da fama (Sulina, 2014— com Vera França e Lígia Lana).